domingo, 20 de novembro de 2011

Se tudo passa, para onde - não - vão aquelas verdades estáticas?

"Mãe é tudo igual"
"Homem é tudo igual"
"Loira é tudo burra"
Pq as mães são iguais, os homens também, as loiras continuam sendo burras e as mulheres continuam sendo difíceis?

Read More

sábado, 4 de dezembro de 2010

Explicando.....

Eu tenho uma paixão, um carinho muito grande por este blog.
Fiz ele durante uma estada minha em Brasília, na casa dos meus pais - e fui aprimorando-o de pouco a pouco, acrescentando coisas que gostava, deixando de escrever sobre coisas com as quais eu não possuía tamanha intimidade, etc.

O problema é que:
eu não tenho muitos seguidores - no final das contas, eu acabo sentindo que escrevo somente "para a Helena ver"... só que, como ocasionalmente aparecem comentários, eu não tenho coragem de sair por aí dissertando sobre o meu dia-a-dia, vontades e tristezas. Caso vocês quisessem isso, a web está CHEIA de páginas por aí exatamente com esse conteúdo.
Por esse motivo eu parei de escrever por aqui.

No dia 08 de agosto, às aproximadamente 8 horas da noite, eu sofri um acidente de carro indo para a minha casa, no interior de São Paulo. Meu pai dirigia e eu estava no banco do carona enquanto o Louis (o gatinho preto e branco) estava no banco de trás.
Um treminhão de cana (google it - vejam o tamanho do treco) entrou, sem aviso e sem adesivos refletores, em um ponto particularmente complicado de se ver anteriormente na estrada. Era um ponto um pouco baixo, que vinha depois de uma grande elevação - logo, nós, que ainda estávamos subindo o morro, não enxergamos o que havia do outro lado.
Sem adesivos refletores, a caçamba do caminhão, virada ainda perpendicularmente na pista, não era visível - pois na grande maioria das rodovias estaduais não há luz - e meu pai não viu. Eu vi, gritei, ele freiou.
Isso é tudo de que eu me lembro.
Eu não consigo me lembrar de mais nada. Eu não me lembro do pânico que deve ter me acometido ao ver que a caçamba se aproximava e nós não parávamos. Eu não me lembro se gritei.
Eu não me lembro quando a barra de proteção direita do carro entrou no meu rosto e quebrou a minha mandíbula em 3 lugares diferentes. Eu não me lembro da dor, eu não me lembro do que eu senti.
Eu tento lembrar, às vezes. Eu tento lembrar pois eu queria muito saber o que me impossibilitava de salvar o Louis, ou de sair dali - eu sei que fiquei presa nas ferragens, mas será que, consciente, eu ficaria? - e fazer alguma coisa.
Eu não me lembro de o meu pai saindo do carro, de ele tentar me tirar das ferragens. Eu não me lembro do Louis tentar fugir e ser atropelado, enquanto meu pai se desperava ainda mais e ia atrás dele, sendo segurado pelos paramédicos. Eu não vivi a hora do desespero do acidente.... e não sei se gostaria de lembrar de tudo, de viver tudo. Eu perdi muito mais do que o carro e o rosto naquele acidente; além de ter perdido um dos seres que eu mais considerava no mundo, eu perdi a paz de espírito do meu pai, perdi meu lar e a minha liberdade. Eu me perdi. Eu perdi todos os pontos de referência "da Helena".

Quando eu comento alguma coisa dessas com alguém, a resposta automática, da grande maioria das pessoas, é: "Olhe pelo lado bom - você não teve nada neurológico, você não perdeu nenhum membro, não morreu".
Agora, voltando para a casa dos meus pais, em Brasília, eu vivo com uma nova resposta: "Agradeça pelo que você tem. Pense nas crianças do Hospital Sara, aquilo ali é triste."

Eu não consigo imaginar o que seja ser uma daquelas crianças do Sara. E eu, 4 meses depois do meu acidente (cheia de complicações, cirurgias e cicatrizes), não tenho idéia do sofrimento ao qual elas estão propícias - e pior, acostumadas. Se eu não tenho idéia, quem me fala isso tem uma idéia muito menor - tem a idéia de como é sofrer, perder um ente querido... mas poucos passaram tanto tempo no hospital, viram o sofrimento praticamente palpável que nos acomete.

Pensar nas pessoas que não tiveram tanta sorte como eu - com lesão medular, morte cerebral, morte - ou nas crianças que nasceram com os mais variados tipos de doenças seríssimas, tão variadas que eu nem conseguiria listar... não faz com que eu me sinta melhor. Faz com que eu me sinta cada vez pior.
Imaginar como seria se eu partilhasse essa estória de vida com essas pessoas... é simplesmente impossível. É impossível para uma pessoa que nunca viveu este tipo de coisa entender, sentir, IMAGINAR o dia-a-dia das que acabaram não tendo tanta sorte.

Quando alguém me diz para pensar nessas alternativas/pessoas, não apenas está dizendo que tudo que eu estou passando não é tão ruim assim - que eu não sofro tanto, que eu não sinto tanta dor assim, que as minhas complicações são "fichinha" - quanto está dizendo para eu ter pena das pessoas em condições piores do que a minha.
Normalmente, quem me fala isso é digno de pena, não o menino de 7 anos no Sara com leucemia desde os 3. Ele infelizmente tem, não apenas uma vida de privações, dificuldades e dor, mas esse menino ri, brinca, luta. Ele nunca foi nem nunca será digno de pena.

O meu sofrimento não apenas é válido, mas também é real e palpável. O sofrimento do menino com leucemia é tão válido, real e palpável quanto - mas nunca haverá um meio de mensurar e comparar esses dois sofrimentos, essas duas dificuldades. A vida dele é muito mais difícil do que a minha e eu tenho a certeza de que uma hora as minhas complicações pós-cirúrgicas terminarão e eu me sentirei melhor, por mais que isso demore... mas não é por isso que as pessoas tem o direito de mandar que eu não sofra. Não é por isso que elas tem o direito de me mandar ver o sofrimento alheio e recolher-me à minha insignificância.
Não há comparação. Não é porque eu vou ficar boa um dia que eu não tenho o direito de sofrer.



Acabou saindo um desabafo - não era a minha intenção. A minha intenção era explicar a minha ausência e dizer que eu não tenho previsões de voltar a escrever por aqui... espero que logo.


Obrigada.

Read More

terça-feira, 20 de julho de 2010

Pelo direito de viver a própria alma.

Em época de eleições, todo e qualquer assunto entra em pauta, mas as grandes questões sempre são evitadas - elas criam controvérsias demais para aqueles políticos que querem eleger-se, podendo prejudicar a sua (re)candidatura.
Muitos não acreditam na pauta, logo nem comentam sobre determinados assuntos.
Outros apóiam firmemente uma idéia, mas caso coloquem-se publicamente favoráveis, perdem a única chance que tem de representar, às vezes, a única voz que a idéia apresenta nos setores de poder (no senado, na câmara, no plenário).

Este não é um post partidário.
Este texto não é meu. Eu estou TRANSCREVENDO o livro "Los Angeles", de Marian Keys (mais precisamente, estou transcrevendo o que encontra entre as páginas 434-443).
Muitas pessoas, no calor do momento, não conseguem demonstrar bem as suas idéias.
Muitas pessoas não conseguem colocar em palavras o sofrimento, a dor, a dúvida.
Marian Keyes, mais uma vez, em uma história FICTÍCIA, me surpreendeu.
Quanto aos partidários de cada um dos lados, cada um tem o direito a sua opinião; a liberdade de expressão ainda faz parte da nossa constituição, e eu gostaria que cada um de vocês tivesse isso em mente ao ler isso.

"Eu não levo jeito para ser má. Sou péssima nisso, na verdade. A única vez em que eu tentei roubar uma coisa em uma loja, fui pega. Na única vez em que eu armei tudo para Shay entrar escondido quando trabalhei como baby-sitter, fui pega. No dia em que fiz gazeta na escola para ir ao torneio de sinuca com papai, fui pega. Na vez em que atirei o caracol no Nissan Micra cheio de freiras, o carro parou, todas saltaram e me deram o maior esporro. Era de imaginar que tudo aquilo me ensinaria a não sair da linha. Mas eu não aprendi, e na única vez em que fiz sexo sem camisinha com Shay Delaney, fiquei grávida.

Bem, talvez aquela não tenha sido a única vez em que não usamos proteção; do jeito como vivíamos transando às pressas e de forma estabanada, deslizes e respingos deviam ter acontecido com certa regularidade mesmo. Mas houve uma ocasião específica em que nós não tínhamos uma camisinha à mão e não conseguimos nos segurar. Shay prometeu que ia tirar a tempo, mas não fez isso, e de algum modo fui eu quem acabei consolando-o, garantindo que ficaríamos bem e não ia acontecer nada, como se o meu amor por ele fosse tão poderoso que conseguiria obrigar meu corpo a me obedecer.

Quando chegou o dia da minha menstruação e nada aconteceu, convenci a mim mesma de que o motivo era o estresse por causa dos estudos, pois estávamos a três meses das provas finais para eu completar o ensino médio. Em seguida, tentei convencer a mim mesma de que a minha menstruação não viria até eu parar de me preocupar com ela. Mas eu não conseguia afastar a encucação - a cada vinte minutos corria para o banheiro, a fim de verificar se ela tinha vindo, e analisava tudo o que me dava vontade de comer, para ver se podia ser classificado como 'desejo'. Mas que eu estivesse grávida era algo quase impensável.

Não consegui aguentar o sufoco de não ter certeza, precisava me certificar de que não estava grávida. Então, quando o atraso completou três semanas, fui até uma farmácia do centro da cidade e comprei - de forma anônima, eu esperava - um teste para gravidez, e quando a mãe de Shay saiu, fomos correndo fazer o teste no banheiro da família Delaney.

Ficamos de mãos dadas, os dois suando frio, observando o bastão com toda a atenção e torcendo para ele continuar branco, mas quando a pontinha foi ficando cor-de-rosa entrei em estado de choque. Aquele tipo de choque no qual as pessoas acabam tendo de ser internadas no hospital, tomando sedativos. Não conseguia falar nada, mal conseguia respirar, e, quando olhei para Shay, ele estava quase tão mal quanto eu . Parecíamos duas crianças assustadas. Minha testa ficou banhada de suor e eu comecei a enxergar uns pontos pretos meio borrados que atrapalhavam a minha visão.

- Eu aceito tudo o que você quiser fazer - disse Shay, meio sem expressão, e eu sabia que ele estava apenas representando um papel. Parecia petrificado, vendo a estrela brilhante que havia em seu futuro implodir. Ser pai aos dezoito anos? - Eu ficarei ao seu lado - disse ele, como se estivesse lendo um diálogo mal escrito.
- Acho que não posso ter esse bebê - ouvi a mim mesma dizer.
- Como assim? - ele tentava esconder o alívio, mas seu rosto já se transformara.
- É que... eu não tenho condições de tê-lo.

A única coisa em que eu conseguia pensar era que isso não acontecia a garotas como eu. Sabia que gravidez não planejada acontecia com montes de mulheres, é claro que eu sabia. Tinha certeza de que a maioria delas ficava arrasada e preferia que não tivesse acontecido. Mas senti - como talvez todo mundo sinta - que, de algum modo, comigo a situação era pior.

Desconfiava de que se alguém louca e irresponsável, como irmã mais velha, Claire, engravidasse aos dezessete anos, isso seria quase um fato já esperado e renderia apenas um suspiro e um balançar de cabeças no estilo 'Puxa, Claire...'.

Mas eu era a bem-comportada, o anjo da casa, o consolo dos meus pais, a única ilha para a qual eles podiam olhar sem precisar perguntar 'Onde foi que nós erramos?'. A idéia de ter de dar essa notícia à minha mãe era inimaginável. Quando pensei em contar isso ao meu pai, porém, estremeci por inteiro. Senti que isso poderia matá-lo.

Fui tomada de intenso pânico. Engravidar me pareceu uma das coisas mais assustadoras que poderiam acontecer a qualquer pessoa. Dentro dos limites do meu mundinho de classe média, então, não podia ser pior. Andei de um lado para outro com vontade de me lançar contra as paredes, como um animal enjaulado, sentindo-me despedaçada e cada vez mais presa da horrível percepção de que, não importa a decisão que eu tomasse, ela traria terríveis implicações que eu teria de suportar pelo resto da vida. Não havia saída, todas as opções eram pavorosas. Como eu poderia ter um filho e dar a criança para alguém? Ficaria arrasada só de imaginar o tempo todo como ele estava indo, se era feliz, se os pais adotivos tomavam conta dele direitinho e se a minha rejeição não o teria traumatizado. Mas morria de medo, também, de ter um bebê e mantê-lo. Como poderia cuidar dele? Era apenas uma estudante, sentia-me jovem demais e incapaz, imatura até para cuidar de mim mesma, quanto mais de um pedacinho de vida completamente indefeso. Como Shay, eu também achava que a minha vida ia acabar. Todos iam me julgar: os vizinhos, os colegas da escola, até meus parentes mais distantes. Falariam de mim com deboche, iriam rir da minha burrice e acabariam chegando à conclusão de que eu tivera o que merecia.

Quinze anos mais tarde, eu conseguia ver que nada daquilo teria sido um desastre tão absoluto. Tudo era superável. Eu poderia ter tido o bebê, cuidado dele, podia até mesmo ter construído uma carreira para mim mesma. É claro que meus pais não iam soltar fogos de alegria, mas acabariam por superar também. E o mais importante: iriam amá-lo, aquele que seria o seu primeiro neto. Na verdade, com o passar dos anos, vi pessoas passarem por coisas mito piores do que serem presenteadas com um bebê ilegítimo da filha bem-comportada. Keiron Boylan, um rapaz da nossa rua, pouco mais jovem do que eu, morreu em um acidente de moto quando tinha dezoito anos. Fui ao seu enterro e seus pais estavam irreconhecíveis. Seu pai estava, literalmente, transfigurado de dor.

Mas naquela época, aos dezessete anos, eu não sabia de nada disso. Não tinha experiência de vida, não conseguia enfrentar as pessoas nem ir contra as suas expectativas. Não tinha capacidade de ser racional e estava tomada de um medo extremo que me fazia acordar de hora em hora à noite e transformava os meus dias em pesadelos reais.

Sonhava com bebês. Em um dos sonhos, tentava segurar um bebê no colo, mas ele parecia feito de chumbo, muito pesado para carregar, embora eu tentasse mesmo assim. Em outro, eu tinha o bebê, mas sua cabeça era de adulto e ele ficava o tempo todo falando comigo, desafiando-me e deixando-me exausta com a força de sua personalidade. Vivia com náuseas, mas nunca tinha certeza se eram provocadas pela gravidez ou pelo terror constante que a acompanhava.

Shay repetia o tempo todo, feito papagaio, que me daria apoio, não importava o que eu decidisse fazer, mas eu sabia muito bem o que ele queria que eu fizesse. O problema é que ele nunca dizia de forma objetiva, e embora eu não conseguisse explicar o sentimento através de palavras, odiava sentar que eu, apenas eu, seria a responsável pela terrível decisão. Preferia que ele me falasse aos gritos que era melhor eu ir até a Inglaterra para resolver o assunto de vez, em vez de tê-lo em volta de mim, agindo de forma carinhosa e 'madura'. Embora ele parecesse um homem feito e fosse a figura masculina no lar dos Delaney, comecei a perceber que talvez ele não fosse tão maduro quanto aparentava e que tudo aquilo era encenação. E apesar de sermos inseparáveis, sentia-me estranhamente abandonada por ele.

Três dias depois do teste, contei tudo a Emily e Sinead(minhas melhores amigas), que ficaram absolutamente atônitas.
- Bem que eu desconfiei que havia algo errado com você - disse Emily, extremamente pálida - mas pensei que fosse preocupação por causa das provas.
As duas balançavam a cabeça o tempo todo, sussurrando 'Puxa vida' e 'Eu não consigo acreditar nisso', até eu ser obrigada a mandá-las fechar a matraca e me aconselhar algo útil. Nenhuma das duas tentou me convencer a ter o bebê; ambas achavam que não tê-lo era a melhor opção, ou pelo menos a menos ruim. Seus olhos demonstravam pena e também alívio por aquilo não ter acontecido com elas, e mais uma vez torci para que tudo fosse um pesadelo do qual eu iria acordar a qualquer momento, tremendo, mas feliz por ter sido apenas imaginação.

Por fim, elas decidiram que o melhor a fazer era contar tudo a Claire, que estava no último ano da faculdade, era uma grande defensora dos direitos das mulheres e reclamava sobre o quanto os padres eram descarados. Na verdade, ela costumava encher tanto os ouvidos das pessoas com aquela história de direito ao aborto que mamãe muitas vezes suspirava e dizia:
- Aquela ali é capaz de engravidar só para fazer um aborto e ter a chance de provar as suas idéias.
Então, eu contei a Claire o que acontecera e ela ficou perplexa. Sob outras circunstâncias, sua reação teria sido até hilária, mas naquele momento ninguém achou nada engraçado. Claire começou a chorar, de verdade, e, como era de esperar, fui eu que acabei confortando-a.
- Isso é muito triste - e continuava a chorar, inconsolável - você é tão novinha!

Por meio de uma assistente social, Claire conseguiu algumas informações para mim e para Shay, e, com uma facilidade inesperada, tudo foi acertado. Um peso imenso foi tirado dos meus ombros - afinal, não teria mais que ter o bebê e sofrer as consequências - , mas um monte de novas e terríveis preocupações afloraram à superfície. Eu fora criada como católica, mas de algum modo conseguira evitar muitas das cargas de medo e culpa que acompanhavam a doutrina. Sempre achei que Deus devia ser um cara muito tolerante, decente, a culpa de ter feito sexo com Shay até que não me martirizava tanto, pois eu raciocinava que Deus não nos teria dado apetite sexual se não quisesse que nós o usássemos. Já fazia muito tempo que eu não acreditava no inferno, mas de repente comecei a ter algumas dúvidas e reações que não reconheci como minhas.

- Será que vou fazer algo terrível? - perguntei a Claire, morrendo de medo da resposta - Será que sou.... uma assassina?
- Não - garantiu-me ela. - Isso ainda não é um bebê. É apenas um amontoado de células.
Agarrei-me àquela idéia com um certo desconforto, enquanto Shay e eu juntávamos dinheiro para o procedimento. Para mim, até que essa parte não foi difícil, pois eu sempre fiz poupança, e para ele também não foi difícil, por conta do seu charme irresistível. Então, em uma sexta-feira de abril, à tarde (meus pais com a idéia de que eu ia passar o fim de semana com Emily para estudar), Shay e eu fomos para Londres.

Passagens de avião estavam completamente fora do nosso orçamento, então fomos de barca. Foi uma longa jornada - quatro horas de viagem marítima, mais seis de ônibus - e eu me sentei com as cortas retas quase a viagem toda, convencida de que nunca mais conseguiria dormir. Em algum lugar perto de Birmingham, dei uma cochilada no ombro de Shay e só me lembro de acordar quando o ônibus já passava por um bairro cheio de prédios com revestimento de tijolinhos. Era primavera, as árvores estavam incrivelmente verdes e as tulipas já tinham florescido. Desde aquele dia, evito ir a Londres. Sempre que tenho que ir lá, revivo os sentimentos da primeira vez em que fui à cidade. Aqueles prédios com revestimento de tijolinhos existem em toda parte pela cidade: e eu sempre me pergunto: será que foram esses os prédios que eu vi?

Voltei à consciência como se estivesse nadando de volta à superfície e me ouvi chorar. Um som que eu nunca emitira antes vinha do fundo das minhas entranhas. Zonza e ainda meio anestesiada, fiquei deitada quietinha e ouvi meu som interior. Logo aquilo ia acabar parando.
E quando à dor? Havia dor? Prestei atenção e percebi que sim, sentia uma leve cólica, uma sensação de estar sendo esticada por dentro. Depois que acabasse de gemer, ia resolver o que fazer a respeito da dor. Ou talvez alguém resolvesse. Naquele hospital que não era um hospital, provavelmente uma enfermeira que não era enfermeira iria me ouvir e viria me acudir.
Mas ninguém apareceu. Quase sonhado, como se outra pessoa estivesse emitindo aqueles sons, fiquei deitada quietinha, ouvindo. Devo ter voltado a dormir e, quando tornei a acordar, estava em silêncio. Por incrível que pareça, me senti quase bem.

No sábado de tardinha, quando Shay me pegou e levou para o motel onde íamos passar a noite, ele estava imensamente carinhoso. Eu me sentia aliviada, embora ainda chorasse - o interessante é que só depois de tudo estar terminado e seguro é que eu me permiti chorar por causa do bebê. Por alguma razão, eu decidira que o bebê era um menino, e quando me perguntava em voz alta se ele teria sido parecido comigo ou com ele, Shay se mostrava muito desconfortável.

Partimos para a Irlanda no domingo de manhã e chegamos lá ao entardecer. Era inacreditável que menos de dois dias tivessem se passado desde que eu saíra dali e estava de volta ao meu quarto onde tudo parecia, de forma decepcionante e quase vergonhosa, normal. Minha escrivaninha estava entulhada de livros escolares que exigiam a minha imediata atenção. Aquele era o meu futuro, ele jamais saíra dali, tudo o que eu tinha a fazer era reembarcar nele. De imediato, na verdade naquela mesma noite, eu caí dentro e me lancei aos estudos, pois faltavam apenas seis semanas até as provas finais. Só que, nos dias que se seguiram, coisas estranhas começaram a acontecer. Eu ouvia bebês chorando em toda parte - até quando estava debaixo do chuveiro ou dentro do ônibus -, e quando a torneira era fechada ou o ônibus parava, o choramingo longínquo também.

Tentei contar isso a Shay, mas ele não queria saber dos detalhes.
- Esqueça isso - ele aconselhou. - Você se sente culpada, mas não deixe isso derrubá-la. Pense apenas nas provas, faltam só algumas semanas.
Então eu engoli a necessidade que tinha de falar do assunto, de tentar me convencer de que fizera a coisa certa, e em vez disso me forcei a encarar tantas horas de estudo quanto conseguisse; sempre que a urgência de falar sobre o nosso bebê se tornava insuportável, eu perguntava a Shay alguma coisa sobre Hamlet ou os primeiros poemas de Yeats, e ele me explicava tudo com a maior boa vontade, quase repetindo de cor a matéria dos livros.

Superei o período de animação suspensa típico da época dos exames e, de repente, estava livre. Acabara o ensino médio, era adulta e a minha vida estava pronta para começar. Enquanto aguardávamos as notas finais, Shay e eu ficávamos quase sempre juntos. Assistíamos a um monte de programas de TV, e até mesmo nos dias mais quentes e convidativos, quando o sol forte fazia o sofá estofado em veludo cotelê o tapete marrom parecerem ridículos, não saíamos de casa e ficávamos vendo TV.

Nunca mais transamos.

No meio do verão, saíram os resultados das provas finais. Shay teve notas altíssimas eu quase levei bomba. Na verdade, o meu desastre não foi assim tão dramático, mas é que eu queimara tanto as pestanas no fim do semestre que as expectativas de todo mundo com as minhas notas tinham sido muito elevadas. Meus pais ficaram confusos, mas na mesma hora decidiram que o motivo de meu fracasso era algo sem importância. Como poderiam imaginar que eu passara as últimas seis semanas antes dos exames sentada no meu quarto ouvindo choros de bebês imaginários por trás de alarmes de buzinas de carros?

As consequências do trauma se alongaram por muito tempo. Quase que a partir do exato momento em que eu já não estava mais grávida, culpa e remorso chegaram e comecei a achar que ter tido o bebê não teria sido tão ruim. (Embora eu tivesse uma leve noção de que, se ainda estivesse grávida, estaria desejando não estar.)

As contradições me puxavam para os dois lados, como em um cabo-de-guerra emocional. Eu sentia que tinha todo o direito de fazer um aborto, mas continuava incomodada por uma terrível sensação de desconforto. Não importava o quanto a minha vida fosse sensata e limpa a partir dali, sabia que até eu morrer eu arrastaria aquele peso. Não conseguiria encontrar a descrição exata para aquilo: 'pecado'. Era a palavra errada, porque pecar era violar as leis de outra pessoa. Uma parte de mim, porém, estaria sempre despedaçada e eu ficaria marcada para sempre como uma mulher que fez um aborto.

Sentia-me tão marcada nessa irreversibilidade que pensei em me matar. Ainda bem que foi só por alguns segundos, mas por aquele curto período de tempo eu sinceramente quis morrer. Era como estar algemada a algo vergonhoso e doloroso para sempre. Diferente de perder pontos na carteira de motorista ou ser fichado na polícia por uma contravenção que caducava em cinco ou dez anos. Aquilo nunca teria conserto, porque era impossível de ser consertado.
E no entanto.... eu também me sentia aliviada por não ter uma criança para criar. O que eu queria mesmo era não ter sido obrigada a tomar a decisão, para começo de conversa. E é claro que tudo aquilo era culpa minha, pois eu devia ter mantido as pernas fechadas, mas a vida não era assim - até eu sabia disso -e era fácil ser sábia depois do fato consumado.

De vez em quando, as organizações antiaborto desfilavam pelas ruas de Dublin, fazendo campanhas para tornar o aborto na Irlanda mais ilegal do que ele já era, carregando rosários e empunhando cartazes com fotos de fetos arrancados do útero.
Eu tinha de desviar os olhos daquilo.
Quando os ouvia condenando o aborto com tamanha veemência, tinha vontade de perguntar se algum deles já havia estado na minha situação.
Aposto que não.
Se tivessem estado, o seu compromisso com os elevados princípios morais ficaria abalado.

O que mais me incomodava eram os homens - homens protestando contra o aborto! HOMENS! O que eles sabiam, o que poderiam saber do terror que eu sentira? Eles não podiam engravidar. Mas nunca comentei nada disso em casa, porque não queria chamar atenção para o problema. E - pelo menos quando eu estava por perto - Claire também nunca comentou nada.  "




Todos nós temos direito a tomar as nossas próprias decisões.
Só que toda e qualquer decisão que nós venhamos a tomar vem acompanhada de consequências, sejam elas quais forem.
O direito de escolha - e da consequência - é nosso.

Read More

domingo, 18 de julho de 2010

Variações - Continuação

engraçado.
logo depois de escrever o post anterior, vi uns posts que eu estava querendo ver HÁ MUITO TEMPO no blog do Du ; o Du é um grande amigo meu, eu o conheci na faculdade de Bio, em São Carlos, e nós compartilhamos de muitas ideias....

vou colocar 3 filmes que eu encontrei no blog dele.
achei os 3 fantásticos, principalmente o primeiro, do Carl Sagan. Os outros dois seguem uma corrente que defende o ateísmo, mas com umas idéias muito parecidas com as que o Carl Sagan expos em seus pensamentos.
Coloco isso aqui não para questionar a religião de alguém ou para expor a minha fé - são dois tópicos que não estão em discussão aqui. Aqui basta a liberdade de expressão, e é isso que eu estou tentando fazer: mostrar outros lados da história, questionar.
Eu não sou nada, além do meio de passagem destas idéias.... do seu criador até vocês. Dá pra compreender?
Cheers, hot.







(Du, valeu. Saudade. )

Read More

Variações

Sabe quando você se sente perdido, sem chão?

Como se tudo que você soubesse ou tudo o que você fez até agora não servisse de absolutamente nada?

Estou assim.
Estou em dúvida.
Hoje em dia eu sei quem eu sou, salvo algumas ressalvas que de vez em quando me atormentam.
Hoje em dia eu sei o que eu quero, mas é impossível saber o que é melhor para nós sempre. É impossível ficar apático diante da expectativa de uma mudança de vida drástica - os resultados podem ser catastróficos ou homericamente fodásticos.

O que fazer, como proceder?
Como conseguir se manter são diante de toda a loucura que tomou posse das nossas vidas?
Afinal de contas, nós somos constantemente modelados de acordo com o padrão de cidadão/filho/companheiro/trabalhador perfeito - como nós podemos saber se a nossa real natureza não quer dizer justamente o contrário? Que um ou outro de nós tem como objetivo de vida uma coisa completamente diferente daquela que lhe foi guardada e destinada?

Como ser diferente, mas ... ser igual? Afinal de contas, todos nós estamos em busca das mesmas coisas, com poucas ressalvas.
Com poucos poréns, com poucas novidades.
Qual é o sentido de reter, de suprimir as nossas novidades, as nossas ressalvas, o nosso diferencial, os nossos desejos? Qual o objetivo da nossa sociedade em nos ver, completamente iguais e bonitos, seguindo o modelo fordista de produção?
A resposta teórica dessa pergunta é fácil, se ela for analisada pelo lado sociológico/político.
Mas por que, em sã consciência, um ser humano tende a coisificar o seu próximo, sempre minimizando-o, sempre humilhando-o, sempre.... desqualificando-o?

A que ponto chegamos, a que ponto chegaremos dessa maneira?
Como ser aceito e conseguir sobreviver dentro uma sociedade massificada, odiosa, preconceituosa, que ainda por cima a.d.o.r.a. dizer, estufando o peito, que agora está "incluindo" os excluídos?
Eles não são excluídos.
Eles são HUMANOS, assim como nós.
E nós não passamos de mais uma espécie animal neste mundo. Com a grande diferença de estarmos matando constantemente uns aos outros, acabando com nosso hábitat e meios de vida. Afinal de contas, condições de vida e recursos para a nossa sobrevivência servem para que mesmo?


O que eu quero ser?
O que VOCÊ quer ser?
Qual o problema em ser errado, diferente, esquisito, completamente freak, se isso não fere o direito do próximo? Como nós nos deixamos enganar a esse ponto...?

Read More

quinta-feira, 1 de julho de 2010

Petticoat Make-Up

Venho por meio deste recomendar o meu novo projeto: o Petticoat Make-Up

Esse novo blog saiu de uma idéia inteiramente voltada para maquiagem/beleza/cuidados variados com uma das minhas melhores amigas, a Patrícia (eu já recomendei o blog dela aqui uma vez, o Como Vai Patrícia). 
Enfim: a iniciativa não é nova, esse tipo de blog está pipocando por aí - mas nós estamos tentando fazer uma coisa um pouco mais diferenciada e eu gostaria que vocês dessem uma olhada e, se for o caso, me digam o que acham. 


Por um lado, esse blog vai ter de dividir as minhas atenções com esse novo projeto, mas o Petticoat é voltado INTEIRAMENTE para maquiagem/beleza, então eu continuarei escrevendo sobre outras coisas por aqui.
Espero que vocês gostem.


Cheers, hot

Read More

domingo, 27 de junho de 2010

Tentativas - True Blood


Tentativa.


Nem toda é válida, mas pelo menos nós aprendemos a nos aperfeiçoar para que a próxima dê realmente certo.









Não gostou?
Opine. Pra mim faltou muita coisa.
Gostou?
Opine.
Quer saber como eu fiz pra ficar assim (mesmo que tenha sido tão ruim)?
Opine. 
Sei que faltaram os cílios e a linha do delineador branco deveria ter sido BEM MAIOR, mas... first try! faltou blush, mas como eu não consegui ficar branca como ela (sim, queria ter uma equipe da HBO me filmando, beijos!) achei que não precisava. Ledo engano. Quanto ao batom vermelho, eu tenho um exatamente no tom do dela, mas que eu não encontrei. Deve estar perdido em algum canto obscuro de alguma bolsa minha.



Cheers, hot!

Read More

domingo, 13 de junho de 2010

Mulher.

(Pagu, 1929)




Mulheres, mulheres, mulheres.
Muito é falado sobre nós, pouco é dito.

Ser mulher é, antes de mais nada, estar sempre pronta para ouvir de tudo e enxugar aquilo que possa ser reutilizado para a formação de uma afirmação, senão verdadeira, pelo menos plausível.
Nós temos o poder do otimismo.
Nós temos o brilho da vontade.
Ser mulher é ser cobrada todos os dias em todos os âmbitos de sua vida – familiar, pessoal, profissional, residencial, corporal, sexual. Deparamo-nos, então, com os ossos do ofício de sermos seres que não batalham pela subsistência, mas pela vivência plena.
Não importa que o novo chefe não tenha ido com a sua cara no mesmo dia em que você não teve tempo de levar o cachorro ao veterinário, a faxineira faltou e seus pais vão jantar na sua casa – dá-se um jeito. Nós damos um jeito.
E não é um jeito qualquer – é algo que nos compete, que nos supre. É algo de suma competência feminina. É intrínseco, faz parte de nós, faz parte do nosso “je ne sais quoi”.

E então, me perguntam: como entender as mulheres?
A meu ver, não é uma questão de compreensão, mas de visão; cabe àqueles que querem ver a nossa verdadeira essência, a verdadeira identidade feminina.
As mulheres?
Mulheres somos nós.
Mulheres somos nós, com nossas pernas, nossos braços, barrigas e bustos. Com nossos cabelos, narizes e olhos. Completamente diferentes.
Mulheres, somos. Nada mais que humanas. Todas nós.

Read More

sábado, 12 de junho de 2010

Dia dos Namorados

E em homenagem ao dia dos namorados, eu recomendo a vocês o post que a Pat fez no blog dela - o "Como faz, Patrícia?" -, no http://comofazpatricia.blogspot.com/ ;) Ela é uma grande amiga minha que tem uma visão única sobre certas coisas, e esse post foi um resultado de mais uma dessas visões. O nome dele é "O Dia dos Namorados e os segredos de outras pessoas". Gostei demais, vale a pena conferir.
Segue um vídeo que ela postou no twitter, também:





E seguem as minhas contribuições para este dia dos namorados, não é mesmo? Não pensem que eu esqueci.

Primeira: MÚSICA!

Emilie Simon - Lise





Elton John - Sorry Seeems to be the Hardest Word


(tem a versão com Blue, também, mas não pude copiar aqui; segue o link:

Cássia Eller - Mapa do Meu Nada


Aerosmith - Never Loved a Girl


Segunda: Poema

Carlos Drummond de Andrade - O mundo é Grande


O mundo é grande e cabe



nesta janela sobre o mar.



O mar é grande e cabe



na cama e no colchão de amar.



O amor é grande e cabe



no breve espaço de beijar.



[ Eu tenho uma história de amor muito grande com o Drummond, e eu sempre gostei demais das coisas que ele escreveu. Quem mais poderia transformar uma pedra em um caminho em um breve momento lírico da literatura, tão bem conhecido hoje em dia? ]

Carlos Drummond de Andrade - Amar

Que pode uma criatura senão,
entre criaturas, amar?
amar e esquecer, amar e malamar,
amar, desamar, amar?
sempre, e até de olhos vidrados, amar?
Que pode, pergunto, o ser amoroso,
sozinho, em rotação universal, senão
rodar também, e amar?
amar o que o mar traz à praia,
o que ele sepulta, e o que, na brisa marinha,
é sal, ou precisão de amor, ou simples ânsia?
Amar solenemente as palmas do deserto,
o que é entrega ou adoração expectante,
e amar o inóspito, o áspero,
um vaso sem flor, um chão de ferro,
e o peito inerte, e a rua vista em sonho,
e uma ave de rapina.
Este o nosso destino: amor sem conta,
distribuído pelas coisas pérfidas ou nulas,
doação ilimitada a uma completa ingratidão,
e na concha vazia do amor à procura medrosa,
paciente, de mais e mais amor.
Amar a nossa falta mesma de amor,
e na secura nossa, amar a água implícita,
e o beijo tácito, e a sede infinita.

Terceira: Filmes

A Dama e o Vagabundo


P.S. Eu te amo
(esse é triste, então só assista se você estiver acompanh@, mas é um dos meus filmes preferidos, vale a pena)





Quarta: Bebidas


Vinho - Periquita
(é seco, porém suave. Deixe na geladeira durante o dia e só abra quando estiver resfriado - vale a pena)


Espumante - Salton Rosé Poetica


Quinta e última: Comidinhas


Não sei quanto a vocês, mas eu adoro cozinhar - e sinceramente, conseguir uma mesa em um lugar bom hoje não é simplesmente desumano, como também caríssimo. Não darei nenhuma receita aqui, apenas citarei alimentos que tem propriedades ditas... afrodisíacas. 



  • Açafrão: Especiaria vermelho-alaranjada, perfeita no uso com mariscos. Tradicionalmente utilizada na Espanha em pratos com frutos do mar, como a Paella, por exemplo. No Oriente é muito utilizado como estimulante


  • Canela: Extraída da casca da árvore da canela. É usada em lascas e em pó. Coloca-se em doces, mas também em carnes e diferentes tipos de curry, na Ásia e no Oriente Médio. 



  • Pimenta: Picante e ardida, acentua o sabor dos alimentos. 

  • Vieira, Lula, Polvo, Camarões, Lagostas, Ostras


  • Morango e framboesas, principalmente para acompanhar o champagne. ;)
(a framboesa eu não sei, mas eu sei que comer o morango entre um gole e outro de champagne faz com que nós apreciemos melhor o seu gosto)

  • Ovos de codorna


  • ChocolateEra a bebida sagrada dos astecas e estava relacionado à deusa da fertilidade, Xachiquetzal. De sabor muito agradável, vicia e excita por conter o alcalóide teobromina entre seus componentes. 


Divirtam-se!


Cheers, hot ;)





  1. Obs: Peguei os ingredientes na lista deste site: http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20080109114004AApjq23
  2. Obs: Nenhuma das fotos acima foi tirada por mim. Eu apenas as reuni para o post. Caso queira ver o site de origem, basta clicar nela e requerer o endereço. 

Read More

Um projeto, um filme, várias desculpas.

Toda vez que eu vou me maquiar fico pensando no que fazer e, na grande maioria das vezes, acabo fazendo variações do tradicional olho preto. Por conta disso, decidi que vou começar um projeto que só vai terminar quando as minhas "férias" (das aulas da faculdade, mas eu continuo tendo laboratório todo dia... então não são férias, férias, não é mesmo?) terminarem. Toda vez que eu fizer um olho preto, seja ele mais forte ou só uma coisinha básica e variações, eu vou tirar foto e colocar aqui. 
E gostaria que, assim que terminasse, vocês comentassem o que mais gostam, o que não gostaram, se eu sou realmente pouco criativa ou até que dou pro gasto.
O que acham?


Outra coisa: sei que ando negligenciando o blog, mas eu prometo que sempre que tenho um tempinho, corro para cá. Agora, por exemplo, eu estou com uma super idéia de post, mas tenho dois seminários e dois relatórios para fazer - e são coisas que eu já deixei para última hora, pois tive a minha última prova quarta-feira. Essa próxima semana eu não tenho provas, mas a partir daí são 2,3 por semana, até o dia 4, quando eu tenho A MEGA prova.
Então assim: além de estudar para a faculdade, eu tenho que estudar para um projeto paralelo (de transferência, para quem ainda não sabe) e para a minha pesquisa no laboratório, ou seja: eu estou atolada de coisas. Isso tirando arrumar a casa, aulas, cuidar dos gatos (Louis precisa tomar vacinas que já estão uma semana atrasadas - Oh Shit)... Enfim. 
Tudo isso para dizer que não é por descaso, ok?

Volto o mais rápido que puder (que será lá pelo dia 5, quando eu ficar apenas com o laboratório), ok?


Cheers, hot!

PS: Alguém sabe onde eu compro os livros de culinária da Julia Child e da Julie Powell? - sim, aquelas duas do filme mesmo... para quem não viu, vale a pena, é gostosinho. Pode ser meio cansativo, mas as partes de cozinha compensam (pelo menos no meu caso, que adoro cozinhar). Segue o trailer, sim?





Ah, sim. o trailer está em inglês, sem legendas - sorry folks. E demora um pouquinho para começar, não sei exatamente o motivo....

Besos!

Read More

segunda-feira, 7 de junho de 2010

SOS Tartaruga.

Esse post infelizmente não é bonitinho e não dá dicas sobre beleza ou modos de se vestir.

Como bióloga,eu tenho a obrigação de abrir a cabeça de pessoas que não estejam assim tão informadas sobre determinadas situações que ME competem, que dizem respeito à minha área... assim como, caso ocorra algo que o conhecimento seja de utilidade pública na área de vocês, eu espero que vocês o denunciem ou ponham as outras pessoas, leigas no assunto, a par.


Tartarugas.
Sejam elas marinhas ou não. Tartarugas.
Todos nós já ouvimos falar de projetos que visam a sua reabilitação ao mar/outro hábitat ou que protejam os seus modos de vida - o grande problema é que nós não sabemos o quanto a grande maioria desses projetos tem o "rabo preso" para com grandes empresas poluidoras / construtoras.

O grande problema relativo às tartarugas marinhas hoje em dia é quanto à poluição e à falta de áreas de desova. A questão da poluição é clara e eu não vou me demorar nela; mas... quanto às áreas de desova?

Tartarugas marinhas tendem a depositar as suas ninhadas na mesma praia/área que nasceram. O problema é que: para isso, elas fogem de altos índices de luminosidade. Ou seja: se uma determinada tartaruga X, que nasceu na praia Y, chega até essa praia e se dá conta de que o local está amplamente iluminado, seja por um novo bairro, um resort, uma trilha iluminada de um hotel.... ela pode dar meia volta e, caso não encontre uma área propícia para a desova, pode até mesmo perder a ninhada.
E as grandes construtoras e o governo sabem disso.
Só que a construção de grandes resorts à beira-mar diz mais a respeito sobre o povo brasileiro do que as nossas espécies de tartarugas marinhas restantes. Existe um projeto de um resort português no sul da Bahia - já em construção, by the way - que prevê a iluminação de uma ampla área de praias para que os hóspedes do resort possam realizar caminhadas à noite e melhor aproveitar as praias. Obviamente, eu não preciso nem comentar o fato de que essas praias são (eram) áreas de desova de tartarugas marinhas.

Ok, mas nós não temos ONG's, ou outros projetos, como o projeto TAMAR, que trabalham justamente contra esse tipo de ação?
-Sim, nós temos. Só que, para manter um projeto desse porte e ter algum tipo de significância, eles precisam de DINHEIRO. E quem decide dar patrocínio?
O projeto TAMAR, por exemplo, é patrocinado por ninguém menos do que a Petrobrás. - Vocês precisam que eu continue discursando sobre como isso tudo parece antagônico, não? SIM, a Petrobrás e outras empresas que trabalham com resíduos podem SIM ter consciência ambiental, e eu acredito que muitas pessoas lá dentro a tenham. Só que a realidade simplesmente não é cor-de-rosa e as pessoas que realmente mandam ali dentro não possuem essa consciência - então eles travam o poder de guerra e de barganha do próprio projeto TAMAR, ameaçando tirar a verba.

Baixo, não?


Pois é, eu também acho.

Sem falar que o próprio projeto TAMAR na Praia do Forte, no litoral norte da Bahia, virou um circo muito, MUITO bem iluminado, graças a uma vila luxuosa recheada de resorts juntos - todos eles construídos justamente na praia de desova das tartarugas.


Acreditem no que quiserem - O Brasil é um país de todos.... menos nosso. O povo brasileiro é o que mais perde com esse tipo de ato.

Cheers, hot.


Observação: sei que o post está mal-feito e mal-escrito, mas eu escrevi ele meio que como um desabafo, baseada na aula de uma professora minha. As informações que eu dou aqui foi ela quem me deu (e sim, ela é fonte altamente confiável), assim como para todo o resto da minha sala de aula.
Espero somente que a mensagem seja entendida, mesmo considerando o fato de eu não passá-la da melhor maneira



Seguem mais fotos de tartarugas, pois eu as acho lindas e fantásticas (e tem uma mordida DO MAL):

Read More

sábado, 29 de maio de 2010

Metafísica dos Descostumes

E você?



já se sentiu.... errado?
equivocado?
desvairado?
mal-tratado?
mal-compreendido?
expulso do paraíso?

A moral e a ética são coisas completamente diferentes, por mais que a maior parcela da população pregue que - NÃO - elas são absolutamente a mesma coisa: Família, Direito, Propriedade.
O que é bom deve ser direito, o que é direito deve ser bom;
mas quem pratica o que não é direito muitas vezes não deixa de ser bom. E na grande maioria das vezes, aquele que é bom não pratica o direito.

O direito chama-se direito por....? Estar do lado direito em um campo de emoções, traçados por régua e compasso dos primeiros pensadores? Se o direito é direito, pq o errado não é o esquerdo?
E porque não poderia ser o direito, o esquerdo? Ou o direito errado?
Se o direito é o direito do meu ponto de vista x, caso eu me dirija a um ponto oposto, onde eu ultrapasse essa linha imagináriaa do direito|não-direito... e olhe para trás? o não-direito agora é o meu lado direito. E o meu direito agora é meu lado esquerdo - vulgo o que NÃO É DIREITO.

O que não é direito é errado sobre qual ponto de vista?
Qual ponto de vista nós devemos escolher para abordar as questões da nossa vida e como devemos encarar os acontecimentos e pessoas que inserimos ou vivemos na nossa vida? Como saber qual é a linha imaginária certa? E pq ela é a certa? QUEM DISSE?

Não é errado.
Não é certo.
É uma situação, algo, alguém, uma vida, um acontecimento.

Todo o resto não passa de pontos de vista.
Posicionem-se todos nas arquibancadas do Coliseu e observem o grupo de pessoas à sua frente: o seu direito é o esquerdo deles, e vice-versa.
E as pessoas à sua direita? E à sua esquerda? E as pessoas que estão a 45º de você? Qual o ponto de vista delas?
A física já disse que é impossível que dois corpos ocupem o mesmo lugar ao mesmo tempo; transplante isso metafisicamente e você terá a resposta: é impossível que duas pessoas vejam a mesma linha imaginária do mesmo ponto e, portanto, tenham e transmitam a mesma moral e ética.
O meu direito sempre vai ser um pouco torto em relação ao seu.
O seu esquerdo sempre vai ser um pouco torto em relação ao meu.

Read More

sexta-feira, 28 de maio de 2010

O Caçador de Pipas

Sei que é piegas, mas a minha sugestão de hoje é muito válida. "O Caçador de Pipas" é uma leitura simplesmente emocionante e envolvente, daquele tipo de história que mexe com o coração de qualquer um. Aliás, recomendo também o filme - obviamente deixa a desejar perto do livro, mas é lindo, simplesmente.
Segue o trailer do filme, legendado.




Cheers!

Read More

terça-feira, 4 de maio de 2010

E com vocês.... Brasília!

(gente, como o blogger me odeia!) Fiz um post toooooodo bonitinho suuuuuper lambendo uma amiga... e na hora de mostrar as fotos, cadê? 
Refiz, mas não ficou tão bom.... espero que ela não se importe.

Enfim: não, não esqueci do blog, mas ultimamente tem sido difícil arranjar tempo para me alimentar ( aqui na faculdade eu não tenho semana de provas, tenho provas da semana, sabem?). Logo, o blog acaba ficando meio de lado, mas eu já estava preparando um post e a idéia desse foi graças a alguns tweets da minha amiga Tamara Barreto (www.twitter.com/tamarabarreto www.flickr.com/delicate ).... Então assim: tudo isso é obra dela (jornalista, fotógrafa, batalhadora, formiga-que-só-ela). Eu só juntei o que ela disse/postou no Twitter e coloquei aqui. Ela fez uma coletânea de fotos tiradas por ela dizendo algumas coisas sobre a nossa cidade....Brasília.
Curtam - a moça manda MUITO!


"Quer conhecer Brasília? É mais ou menos assim...


Brasília tem verde...


Brasília tem luz...


Brasília tem curvas...


Brasília tem lago...


Brasília tem altos...


Brasília tem baixos...


Brasília tem monumentos...


Brasília tem Arte...


Brasília tem corrupto...


Brasília tem diversão...




E além de ter tudo isso, Brasília é completamente colorida!
"



Fica a homenagem à cidade, feita pela amiga..... e a proto-homenagem à amiga, feita de modo meio esdrúxulo.

Cheers, hot!
;*

PS: Saudades da amiga, que é amiga até os 201.
PS: Saudades de Brasília, que será para sempre a minha cidade....

Obs: vamos ver se agora o blogger faz o upload das fotos, né?

Read More

sexta-feira, 30 de abril de 2010

10 comerciais mais tristes de todos os tempos

Me mandaram por e-mail e quero compartilhar com vocês - é a nata da propaganda que tem como objetivo tocar as pessoas para que certos hábitos humanos mudem.
Se você chora por qualquer coisa, não recomendo o primeiro, o último e o penúltimo; são os melhores, mas não há como não chorar.
Segue o link do blog "Muito Legal" com essa postagem com os vídeos.




http://www.muitolegal.net/2010/04/os-10-comerciais-mais-tristes-de-todos.html

Cheers, hot!

Read More

domingo, 25 de abril de 2010

Pin-Up





Em homenagem ao novo template do blog, vai um tutorial de como fazer uma maquiagem estilo Pin-Up mais do que básica.
Vale lembrar que a imagem da pin-up tem tudo a ver com a cultura pop, o que traz pontos de glamour e luxo nas imagens, sempre levemente erotizadas.


Cheers, hot!

"Uma pin-up é uma modelo cujas imagens sensuais produzidas em grande escala exercem um forte atrativo na cultura pop. Destinadas à exibição informal, as pin-ups constituem-se num tipo leve de erotismo. As mulheres consideradas pin-ups são geralmente modelos e atrizes.



Pin-up também pode se referir a desenhos, pinturas e outras ilustrações feitas por imitação a estas fotos. O termo foi documentado pela primeira vez em inglês em 1941; contudo, seu uso pode ser rastreado pelo menos até a década de 1890. As imagens “pin up” podiam ser recortadas de revistasjornaiscartões postaiscromo-litografias e assim por diante. Tais fotos apareciam freqüentemente em calendários, os quais eram produzidos para serem pendurados (em inglês, pin up) de alguma forma. Posteriormente, posters de “pin-up girls” começaram a ser produzidos em massa.
Muitas “pin ups” eram fotografias de celebridades consideradas sex symbolsBetty Grable foi uma das mais populares dentre as primeiras “pin-ups”. Um de seus posters tornou-se onipresente nos armários dos soldados norte-americanos durante a Segunda Guerra Mundial. Outras pin-ups eram trabalhos artísticos, freqüentemente representando versões idealizadas do que alguns imaginavam ser a representação de uma mulher particularmente atraente. Um exemplo antigo do último tipo foi a Gibson girl (garota de Gibson), desenhada por Charles Dana Gibson. O gênero também deu origem a vários artistas especializados, tais como Gil ElvgrenAlberto VargasGeorge Petty e Art Frahm.
A expressão “cheesecake” é sinônimo de “foto pin-up”. O mais antigo uso documentado neste sentido é de 1934[1], antecipando-se a “pin-up”, embora anedotas afirmem que a expressão estava em uso na gíria pelo menos 20 anos antes, originalmente na frase (dita sobre uma bela mulher) “better than cheesecake” (algo como um verdadeiro pitéu).
Hoje em dia, homens também podem ser considerados “pin ups” e existem equivalentes masculinos de modelos e atores atraentes como Brad Pitt. O termo equivalente, nesta acepção, é “beefcake” (algo como bofe, em gíria brasileira).
Em anos recentes, ilustradores (a saber, Rion Vernon), têm explorado pin-ups de modo mais radical. Vernon, criador do termo "pinup toons" [1], fundiu a clássica garota pin-up com os elementos da HQ e cartoon."


Fonte: Wikipedia



Read More